30 de novembro de 2013

ANIMÁLIA SOLTA!


via NELSON RODRIGUES DOS SANTOS/FACEBOOK

Amigos...

A propósito do vídeo que acabo de ver (esse aí de cima), reporto a quantidade de vezes que percebo a reação diametralmente oposta dos motoristas recifenses, a ANIMÁLIA destrambelhada!  Vocês conseguem imaginar isso acontecendo no Recife, o trânsito completamente parado para liberar uma faixa completa para a passagem de uma ambulância? E olhe que esse vídeo é tomado numa AUTOBAHN, uma autoestrada onde a velocidade É LIBERADA?!?!  Tinha de ser em um local onde faz tempo a luz iluminou a ANIMÁLIA e a fez dar um passo rumo a um estado mais evoluído!

VEJA, APRENDA E DIVULGUE.  Passe a frente, principalmente para aqueles amigos ANTAS que dirigem no tráfego como se estivessem numa corrida ANIMAAAALLLL!!!...

Aprende, ANIMAAAAAALLLLLLLLLLL!!!!!

COMENTEM, se já evoluíram!

29 de novembro de 2013

CADA VEZ MAIS...

Esperando para atravessar... todos os dias, pessoas querem usar a bicicleta no dia a dia. Cada vez mais gene já está usando, mas a cidade não tem respondido com obras que as contemplem... 
FOTO: Rogério Leite @ ABDIAS DE CARVALHO, EM FRENTE A CHESF
Amigos...

Observo um crescimento na quantidade de ciclistas que seguem para o trabalho todas as manhãs.  Um ano atrás, eles eram muito menos, e aparentavam ser de um nível econômico mais baixo.  Eram pessoas que não tinham opção, usando a bicicleta como alternativa gratuita de mobilidade, economizando o dinheiro da passagem de ônibus.  Essas pessoas transformam a cidade em uma grande ciclovia, entre 6 e 7 da manhã. Elas ainda estão aí, mas cresceu o número de pessoas com nível econômico mais alto, jovens na maioria, mas também pessoas de mais idade, seguindo todos os dias para seu trabalho, especialmente se for um trabalho localizado, fixo.  Os motivos todos sabem: menos estresse, menos problemas de deslocamento e estacionamento.  Mais qualidade de vida no final das contas.  A foto que ilustra esse post é bem típica. Uma garota e sua bicicleta, no canteiro central de uma grande avenida na zona oeste do Recife.  Provavelmente, trabalha na Chesf, a empresa do outro lado do muro.  Muitos profissionais dessa empresa usam a bicicleta no dia a dia.  A foto foi tomada de propósito para exemplificar que já foram alcançados os efeitos pretendidos pela implantação da ciclofaixa móvel, de expandir a relação das pessoas, motoristas e usuários, com a bicicleta e a cidade.  A cidade pulsa de usuários e mais usuários usando ou desejando usar a bicicleta, mas com medo do tráfego ou da insegurança.  Está na hora do poder público acordar e botar o trem na rua. Cadê o plano cicloviário prometido afinal?

COMENTEM!!!

LEGAL...QUERO UM TAMBÉM!




VIA ONDE PEDALAR

27 de novembro de 2013

PENSANDO POSITIVAMENTE NESSE FIM DE ANO! FELIZ NATAL!

24 de novembro de 2013

DÁ PARA VER? PARAMOS AONDE?




Amigos...

Um dos argumentos da implantação da ciclofaixa móvel nos finais de semana é permitir o acesso a equipamentos culturais e turísticos de forma mais agradável, via bicicleta.  O programa está bem implantado, passando por vários locais que vale a pena visitar de bike. Vamos ver alguns:
  1. Museu do Estado de Pernambuco
  2. Museu do Homem do Nordeste (perto!)
  3. Museu de Arte Moderna-MAMAM
  4. Caixa Cultural
  5. Centro Cultural dos Correios
  6. Centro Cultural do Banco do Nordeste
  7. Centro Cultural Santander
  8. Torre Malakov (perto!)
  9. Sinagoga Kahal Zur Israel
  10. Museu da Cidade do Recife (perto!)
E isso, sem contar alguns pontos comerciais como a Livraria Cultura, e pontos históricos como o Forte do Brum.
Mas o que abunda de opções, falta de desorganização.  Começando pelos horários.  Cada museu e espaço tem um horário diferente, alguns nem abrem aos domingos como o Museu da Cidade do Recife.  A maioria não abre nas manhãs de domingo, só depois do almoço, e fecham cedo.  
O segundo ponto e esse é mais doido ainda, é que apesar desses equipamentos estarem todos a serem alardeados como "conectados" a ciclofaixa móvel, não existem paraciclos ou bicicletários (ver slideshow acima).  Aliás, em alguns como o Museu da Cidade do Recife, nem ao menos um poste na frente para amarrar a bicicleta.  A Serttel está implantando paraciclos em  lugares absolutamente sem sentido como no cais do Paço da Alfândega, solto no espaço, sem ninguém para ficar de olho na bicicleta, enquanto lugares que precisam de um e onde as bicicletas ficariam mais bem guardadas e menos expostas, não tem nenhum!
Acredito que tudo isso é falta de coordenação geral, algum órgão misto estado-município e iniciativa privada, para sentarem, conversarem e decidirem um horário mínimo para operação dos equipamentos culturais em conjunto com a ciclofaixa móvel, uma decisão melhor sobre os paraciclos da Serttel poderem atender esses equipamentos, e mais divulgação do uso desses espaços com o uso da bicicleta .  Não me parece complicado, basta decidir e implantar!   Com a palavra, os órgãos competentes!

COMENTEM!!!

23 de novembro de 2013

AS PALAVRAS SÃO PODEROSAS...

Amigos...

"As palavras são poderosas.  Elas moldam a forma como vemos o mundo ao nosso redor".  Sob esse mote, a Treehugger.com comentou a forma como a mídia trata eventos mortais envolvendo ciclistas.  A propósito da morte do jogador profissional de squash, canadense, Adrian Dudzicki, por Aleksey Aleksev que usou uma BMW 325 guiada de forma perigosa e negligente, para atropelar o atleta enquanto seguia para seu treino pedalando. 

O comentário veio a propósito do uso da  palavra ACIDENTE para descrever algo que é na verdade uma negligência criminosa ao guiar um veículo.  Guiar um veículo sem atenção devida a todos os personagens que se movimentam nas ruas, considerando apenas a quem é igual ou maior que seu carro, é uma violência a qual pessoas do mundo todo estão submetidas, mesmo em países que consideramos de primeiro mundo!

A palavra ACIDENTE deve ser usada para descrever algo que não pode ser evitado, que não pode ser controlado. E a grande maioria dos eventos descritos como acidente, na verdade, mascara uma agressão violenta usando a força do carro contra alguém mais fraco, menos capaz de reagir.  É preciso que tenhamos isso em mente, até mesmo na hora de descrever eventos assim junto aos amigos, junto aos nossos familiares.  Acidentes acontecem, mas a grande maioria dos que envolvem ciclistas e pedestres, não pode ser descrito como tal, muito menos aceito como tal! 

Mudar a forma como descrevemos essas violências, vai nos ajudar a mudar o nosso mundo!

COMENTEM!!!

18 de novembro de 2013

CICLOINFRAESTRUTURA E NEGÓCIOS...

CICLOVIAS EM TODA A CIDADE!
Você e seus vizinhos estão preparados para isso
quando for na sua porta?


Amigos...

Um post no BIKE COMMUTERS de hoje, despertou o meu interesse em comentar sobre as relações entre a infraestrutura para ciclistas e os negócios.  Entendo que a grande maioria das cidades atuais não tem infraestrutura exclusiva para o ciclista, que tem muito ciclista que acha que isso não é preciso bastando ter respeito mútuo, assim como muitos que só usariam a bicicleta no dia a dia se houvesse uma rede de ciclovias. As opiniões são divididas, não existe consenso nem mesmo pelo mundo à fora, apesar de que algumas cidades que deram certo com a bicicleta no dia a dia possuírem uma boa infraestrutura para ciclistas.

A questão que o post levanta é sobre o impacto da troca de vagas de estacionamento nas ruas sobre os negócios comparando com essa mesma troca em bairros residenciais criados em torno do automóvel. 

Muitos negócios são dependentes de clientes MOTORIZADOS, ou foram concebidas como tal.  Avenidas fortemente "comerciais" são plenas de entradas para veículos na frente das lojas, muitas com pequenas áreas para estacionamento, quase sempre insuficientes.  A implantação de uma ciclovia cria uma "ameaça" aos negócios, na visão dos empresários, especialmente naqueles mais míopes.  Já ficou comprovado que isso não acontece.  Exceto se o negócio for voltado diretamente para o carro, como uma loja de equipamentos por exemplo, a implantação de vias exclusivas só aumenta o retorno das empresas como apontam estudos pelo mundo a fora.   Claro que normalmente isso sacrifica o acesso de pessoas motorizadas, mas o ganho com os clientes ciclistas é muito maior. 

Por outro lado, quando a troca das vagas de estacionamento por uma ciclofaixa ou ponto de aluguel de bicicletas públicas, a vizinhança se "espinha" toda.  Antes os veículos eram poucos, hoje muitas famílias, especialmente em bairros melhores, tem mais de um carro.  Mas nem as casas, nem os prédios, e nem mesmo as ruas tem uma infraestrutura que comporte tantos veículos, e o número continua crescendo. 

A questão em foco é sobre o uso mais adequado do espaço público, a quantas pessoas uma infraestrutura assim vai atender com as "cicloinfras", em detrimento do número de outras que não irá mais atender com vagas para os carros.  E claro, levando em consideração se esse uso é real ou apenas imaginado.  Uma rua ampla que ligue duas avenidas tem potencial para ter uma ciclovia que atenderá mais gente do que se tiver apenas algumas vagas de carros.  Mas mesmo assim, a discussão é bem ampla sobre a "perda" de vagas de carros para a cicloinfraestrutura, sugiro a leitura do post original e para aqueles mais interessados, a leitura do extenso artigo sobre isso que o post recomenda.

2 de novembro de 2013

RECIFE É CICLÁVEL?


Amigos...

O vídeo abaixo é sobre a cidade de Groningen, na Holanda. Uma cidade de 190 mil habitantes que na década de 70 implementou uma política de incentivo a bicicleta, evitar carros no centro, e transporte público em uma malha que evita passar pelo centro da cidade. Resultado disso, uma cidade com 50% da população andando de bicicleta.  O vídeo é em inglês, mas basta olhar as imagens!


Groningen: The World's Cycling City from Streetfilms on Vimeo.

Agora a questão do título: é possível fazer do Recife uma cidade ciclável? Groningen não tem uma qualidade mágica que a fez assim. Bastou apenas vontade política e planejamento, e pode ser feito em qualquer lugar.

Recife é uma cidade muito maior que Groningen, e muitos vão logo alegar que por isso não é possível.  Mas você que está lendo, pode perceber se a grande maioria dos seus deslocamentos está dentro do limite ideal de 5km, a cidade é ciclável para você.  Se isso ocorre com uma grande maioria das pessoas, Recife é perfeitamente ciclável. Mesmo que a distância seja maior, isso não invalida a proposta, porque pode ser agregado a outro modal, como o BRT ou VLT.  Recife é uma cidade plana, de clima quente mas constante.  Em muitos anos, o inverno é pobre, chove pouco.  Em alguns, chove até demais, mas na maior parte, podemos pegar uma bela praia em pleno inverno e torrando no sol forte(eu pego várias todos os anos!).  Sendo assim, porque não?

O poder público parece ter acordado, ainda de forma tímida, mas já pensando no incentivo ao modal para retirar carros das ruas.  Se devidamente planejada e incentivada, Recife pode ser a cidade mais ciclável do Brasil!

COMENTEM!!!

DE OLHO NA BIKE



Click nas imagens e veja as fotos ampliadas no PICASA NA WEB!
Ei, QUER SUA FOTO AQUI TAMBÉM? Se tiver bicicleta nela, vale! Mande com uns 800 pixels de largura maior para CONTATO.RL@GMAIL.COM, com marca d'água, nome, email e/ou telefone. Atualizado todo final de semana.
No aguarde!

Original ROGÉRIO LEITE @ 2010