27 de dezembro de 2016

PRODUTOS DO ANO 2016!

Amigos...

A BIKERADAR publicou uma lista com os melhores produtos do ano de 2016.  Eu gostaria de destacar um dos produtos como algo bem interessante.
FLY12 e FLY6
Cycliq combinou "uma câmera + uma luz" e criou dois produtos impressionantes que gostaria de colocar na minha bicicleta. São o FLY12 e o FLY6.  Eles não são os mais leves ou os mais brilhantes no mercado, mas fazem um grande trabalho de atrair a atenção dos motoristas.  E quando não puderem evitar a colisão ou te jogarem para fora da estrada, a existência crescente destes produtos parece ter feito alguns motoristas pensarem duas vezes antes de agir contra o ciclista. Eu também gosto de saber que se alguém me atropelar, haverá uma testemunha ocular do que exatamente aconteceu. E, naturalmente, esses equipamentos são também ótimos para travar as besteiras que seus amigos ciclistas fazem durante os passeios!

Com o crescimento do número de ciclistas nas ruas, temos visto cada vez mais motoristas irritados, e nenhuma ação direta do poder público para coibir, proteger, autuar efetivamente, as barbeiradas, finas e agressões no dia a dia. Filmar nosso caminho, pelo menos, nos dá subsídio para cobrar judicialmente os danos físicos, materiais e emocionais provocados por ações impensadas dessa corja!

COMENTEM!!!

19 de dezembro de 2016

RESPEITO À LEI

A LEI É DURA, MAS É A LEI!

Amigos,

Quando um motorista joga o carro em cima de um ciclista, ele está desrespeitando vários artigos do CTB, que todo ciclista sabe ou devia saber. Alguns ciclistas investem em câmeras, para filmar seu caminho e essas agressões. Alguns poucos chegam a denunciar os ocorridos a CTTU, botam nas redes sociais, mandam para sites públicos ou privados. Enfim, procuram apoio nas autoridades de fiscalização do tráfego, para punir e coibir esses malfeitos. Acontece que a maioria dos fiscais ou encarregados simplesmente ignoram ou ridicularizam o ciclista quando recebem essas denúncias. Mesmo quando envolve acidentes graves, com feridos ou mortos, não se sabe de motoristas punidos, carteiras caçadas, gente presa, pelo contrário, esses representantes do poder público criticam as vítimas, em clara violação das normas descritas no CTB.

Se o CTB é claro ao dizer que os condutores dos veículos mais pesados são responsáveis pelos problemas causados aqueles que dirigem veículos mais leves (art.29, parágrafo 2º), e cabe ao poder público regular e fiscalizar o trânsito (artigo 21, inciso II), então é OBRIGATÓRIA a ação do poder público quando um acidente ou agressão é praticada contra um ciclista. Não cabe ao agente público nem fazer chacota, nem pouco caso, nem mesmo de decidir se vai ou não multar o motorista, apreender carteira e carro. Porque a lei NÃO permite ao AGENTE PÚBLICO ESCOLHER se pune ou não.  E a lei é a lei, e todo agente público está obrigado a seguir a letra dela, sem questionar. Não existe em nenhum local do CTB a possibilidade de escolha, se houverem provas, danos materiais e morais, de evitar a punição do motorista em casos assim. E se você tem alguma prova ou testemunhas, exija seu direito, civil e criminalmente. Conhecer bem o CTB é uma necessidade para todos.

Veja mais aqui...

COMENTEM...

7 de dezembro de 2016

EMAGRECER PEDALANDO II - RELATÓRIO...

Alguns exercícios de
RESISTÊNCIA COM FAIXAS DE BORRACHA

Amigos...

Esse é mais um "report" do processo de emagrecimento pelo qual estou passando nesses dias.  Iniciei uns 3 meses atrás a pedalar diariamente e controlar as calorias do que ingeria.  O pedalar diário ajudou a controlar a ansiedade por comida, que sempre acomete quem começa programas de reeducação alimentar.  No meu caso, foi mais simples, eu não precisei mudar muito os ingredientes da alimentação, apenas ajustar as porções para alcançar uma certa quantidade de calorias.

Nos primeiros 30 dias, os resultados se mostraram muito promissores, mas eu pedalava entre 12 e 15 km toda manhã.  Logo passei para 20-25 km, sempre pela madrugada.  O processo foi ficando bom. Tão bom que começou a aparecer os "babados" de pele.  A flacidez é sempre o que corroi nossa autoestima. Ninguém passa de "banhudo" para "ripado" sem passar pelo "pelancudo"! Então resolvi alterar a rotina de exercícios, incluindo os exercícios de resistência com faixas de borracha.  São exercícios que tonificam os músculos que você já tem e reforçam os pequenos músculos que dão estabilidade ao corpo. E meio que mascaram as pelancas! kkkkkkk

Já na segunda semana, observei que estava ficando cansativo demais. Eram 7 dias pedalando e 3 dias de resistência com 4 a 6 km de caminhada, toda semana. Nos dias em que pedalava e fazia a resistência, ficava tão cansado que não tinha mais vontade de fazer nada. Então, resolvi mudar de estratégia novamente. Seguindo o conselho de um amigo ciclista, troquei as pedaladas de 20-25 km todos os dias (domingo é sempre mais tempo e quilômetros, mas com muito menos velocidade!), por 3 pedaladas maiores, entre 35-40 km e com mais intensidade. A pedalada do domingo, para fotografar, continua, porque também é preciso criar!  E nos intervalos das 3 grandes pedaladas, 3 dias de resistência com 6 km de caminhada.  Assim, distribuo a atividade entre membros inferiores e superiores.

Os exercícios de resistência também são muitos, uma variedade inesgotável, então também foram divididos em duas séries alternadas: A=costas-bíceps e B=peito-tríceps, com um ou dois exercícios de ombros.  Esse programa iniciei essa semana (em 5 de dezembro) e vou levar até 5 de janeiro para ver como funciona.

As taxas de açúcar cederam, praticamente entraram nos eixos. O colesterol caiu, o HDL subiu pouco e o LDL não cedeu o bastante. Mas esses dois levam mais tempo para aparecer que o açúcar no sangue. Acreditando ainda nas soluções sem medicamentos. O emagrecimento continua, a taxa de mais ou menos 1 Kg/semana. As roupas continuam ficando muito, muito folgadas. Daqui a pouco, vou ouvir a célebre frase: O DEFUNTO ERA MAIOR! KKKK


COMENTEM...

2 de dezembro de 2016

SUBIDAS, OH INFERNO...

LADEIRA DA MISERICÓRDIA, toda calçada de pedras irregulares.
Andando é difícil, de bike eu acho impossível!
foto: DAQUI

Amigos...

Eu estava lendo essa matéria na Revista BICICLETA e fiquei pensando em como as subidas são indigestas para o ciclista, especialmente aqueles que como eu, apresentam um "excesso de inércia", também conhecido como banha! E tem quem ache as descidas melhores, mas elas também precisam ser ponderadas, porque dependendo da inclinação e do piso, a velocidade final pode levar o ciclista a capotar em acidentes muito graves.

Então resolvi revisar a matéria, para o ponto de vista do ciclista de "alta inércia"!

1 - Pense positivo.
Ah, o poder do pensamento positivo!  Vc se imagina lá em cima, flutuando nas nuvens, megarange engatada, cada pequeno esforço seu sendo usado para subir a ladeira, que você tem certeza que vai vencer. ACORDA, DESCE DO PÉ DE ALFACE, ALICE!  Tenta, joga a megarange, e tenta. Mas se não der, nada de vergonha. Desce e empurra. O que não pode é desistir. Até o melhor dos melhores já empurrou uma bike ladeira a cima!

2 - Escolha a bike que vai usar.
Ora, vc já está no pé da Ladeira da Misericórdia, em Olinda, onde você chegou pedalando sua aro 26', tem mais nada a fazer. Ou sobe no pé ou empurra. Já decidisse?!

3 - Respire corretamente.
Oxe, tem um momento que vc não sabe se respira ou pedala, os dois ´tá difícil!  O paredão está lá, vc fazendo um "esforço do cão", gemendo e chorando para conseguir 10 cm a mais.  Para, respira, desce da bike e empurra. Se vc tiver um ataque cardíaco, você morre, porque o SAMU também não consegue subir essa p...!

4 - Cadência e esforço.
PQP &%#$!@¨%#!@&*&¨#, quem é que consegue olhar para ciclocomputador enquanto luta para não empinar a bike, luta para continuar subindo, e luta para aguentar o povo dizendo "vamos, vamos" para o "alto e avante"! Cadê meu canhão laser quando eu preciso dele!?

5 - Sentado ou em pé.
De qq jeito que der. 10 metros depois de iniciada a subida, você já está desejando matar o fdp que te trouxe ali! Porque o mundo não é só descida?!?!

Então, desde que você não está competindo com ninguém, que é apenas um passeio, vendo lugares legais, mesmo um cicloturismo ou uma cicloviagem com amigos, fique esperto e economize seus joelhos.  Faça umas selfies subindo, vá devagar, e se for preciso, DESÇA E EMPURRE.  Você não deve nada a ninguém que esteja te obrigando a subir montado na bike.

COMENTEM!!!

29 de novembro de 2016

É UM PAI, MÃE, FILHO OU FILHA...

Depois que acontece, não adianta se desculpar!
O ciclista não é um carro, não tem carcaça protegendo.
É um pai, mãe, filho ou filha, que precisa de proteção nas ruas.


FOTO DE UMA REPORTAGEM DO G1 - NO RIO DE JANEIRO!

Amigos...

Muitos motoristas tratam o ciclista como se fosse um ser a parte, uma definição por si só. Lidam com ele como se fosse um obstáculo, um impecilho ao SEU uso da estrada, das ruas, das avenidas.  O tráfego é ruim, o ciclista é o culpado.  O ciclista fura um sinal vermelho (nenhum carro a vista, ele cruza!), "viu, ele não segue as leis!"  O ciclista para na faixa de pedestres (sem ameaçar ninguém com isso), "olha, que irresponsável!"  O ciclista sobe numa calçada (devagar e sem ameaçar ninguém), "olha lá, termina atropelando um pedestre!".

Muitas de nossas ações tem motivos e razões causadas por ações ou inações dos motoristas e também muito das falhas do poder público.  Ou seja:

  1. Parar na faixa de pedestres nos garante visibilidade dos carros e evita ser fechado e atropelado caso o motorista deseje entrar a direita.  
  2. Furar um sinal vermelho sem carros a vista, também nos alivia da pressão que os motoristas exercem logo que abre o sinal.
  3. Quando os carros entopem as vias, e nem os corredores sobram para se passar em segurança, as calçadas são opções válidas, desde que não se ameaçe ninguém com isso. Se estiverem cheias, o indicado é descer da bicicleta e empurrar.

Todos esses casos podiam ser resolvidos se existisse uma infraestrutura mínima para a bicicleta (falha geral de vários governos seguidos), e o RESPEITO e EDUCAÇÃO dos motoristas. A lei já preconiza a distância de 1,5m ao ultrapassar ciclista, o que deve ser feito em baixa velocidade. Mas nem a infraestrutura nem o respeito e educação existem!

O ciclista é visto como "espécie", despersonalizado, não como o que realmente é: um ser humano usando um veículo leve, movido a propulsão humana, e sem nenhuma benesse do poder público. E que também é, assim como o motorista, um pai, mãe, filho ou filha, um profissional ou um empregado, quem sabe até um cientista com PhD resolvendo os problemas do mundo?!   Então, antes de crucificar o ciclista, veja se você tem feito a sua parte, se você respeita o espaço dele, se você diminui ao cruzar a bicicleta, se você dá tempo para ele se mover, ou se você é apenas mais um "monstrorista" transformando as ruas em pistas de competição.

Para dúvidas, recomendo a leitura do CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO (CTB), aqui!

COMENTEM!!!




25 de novembro de 2016

MAIS 1 VIDA PERDIDA...


E MAIS DOIS ATINGIDOS...


Amigos...

De ontem, 24 de novembro, para hoje, três ciclistas foram atingidos por motoristas na Av. Abdias de Carvalho. UM MORTO, DOIS FERIDOS. Três ciclistas não! Três pais, filhos, irmãos, maridos, profissionais, empregados ou não, e em síntese, três seres humanos atingidos enquanto se deslocavam em um corredor de tráfego que devia ter uma ciclovia faz tempo!  E não é por falta de planejamento.  A ciclovia consta do PDC, Plano Cicloviário da Prefeitura do Recife e do Governo do Estado, apesar de ser apenas um trecho.  Ligando vários bairros populosos e onde a bicicleta é muito utilizada, é impensável que não exista uma ciclovia em toda a extensão da Abdias.

Mas a PCR não faz, não cumpre, ignora, se faz de morta!? Se faz? Não, faz tempo que morreu para os ciclistas do Recife. Não temos segurança, não encontramos nem respaldo nem eco as nossas demandas. Para a PCR, ciclista é turista, só deve pedalar na ciclofaixa móvel, é obstáculo a passagem dos carros, é um "pentelho" ocupando a via.

E as entidades que podiam e deviam jogar duro nessas ocasiões: MINISTÉRIO PÚBLICO, AMECICLO, e a nova UCIPE, não conseguem pressionar o governo. Em nome de uma crise e falta de recursos, f*%$%#@ a bicicleta e seus usuários, é o que temos ouvido cada vez mais.

Pena. Tristeza.  Indignação.

COMENTEM...

22 de novembro de 2016

A ORDEM E A DESORDEM...

A CICLOFAIXA MÓVEL DE LAZER E TURISMO atrai porque sugere ordem e controle, preservando o 
espaço do ciclista no meio do tráfego doido do Recife. Poucos são os que tem coragem de se 
aventurar fora dela, mesmo nos domingos!

Amigos...

Não sei onde você mora, mas observe a situação da sinalização horizontal das ruas de sua cidade.
 Aquela que pintam no chão das ruas para indicar faixas de pedestres, sentidos de tráfego, etc.

Recife não mantém a qualidade dessa sinalização, não sei se por safadeza ou o quê!?  A verdade é que a pintura não dura e não é refeita com frequência.  A cidade passa uma impressão de desleixo, sem ordenamento, sem controle.  Não é que as pessoas consigam verbalizar isso, ou perceber conscientemente a relação entre a qualidade da sinalização e a desordem da cidade. Mas é o que acontece.

Recife é uma cidade que sempre foi desordenada. Nenhum prefeito conseguiu por ordem nos camelôs, nos transportes públicos, e assim também como na sinalização da cidade. O camelódromo foi feito para por fim na bagunça em 1994, e hoje é uma bagunça, e a bagunça dos camelôs nas ruas da cidade só cresceu. Os sistemas de transportes públicos são superplanejados, mas levam tanto tempo para serem implantados que já nascem ultrapassados. Assim como a sinalização horizontal do tráfego, cuja pintura não dura nada.

As pessoas não percebem que sem faixas de tráfego, os carros seguem ao Deus dará. Que sem faixas de pedestres, os carros avançam ameaçadores a cada sinal. Que sem sinalização, cada um faz o que quer, na certeza de que não serão flagrados. E ai, rola contramão, conversões proibidas, pisca-alerta sem necessidade, desrespeito, descontrole, desordem.  E nem falo das calçadas, cada dia piores e menos respeitadas. Quando os mais ricos viajam para o exterior, o mundo parece mais organizado. Mas nem eles associam essa aparente ordem com ruas bem sinalizadas, garantindo o espaço do cidadão e do turista.

Resumindo, a desordem tomou conta da cidade. E não acredito que um dia irá embora.

COMENTEM...

20 de novembro de 2016

DAR NOMES AOS BOIS...



Amigos...

Ao longo de 8 anos em que tenho olhado, observado e lido sobre o relacionamento entre ciclistas e motoristas, um aspecto se destaca: essas "finas educativas", as fechadas, os xingamentos e ameaças que sofremos é uma constante global. Talvez seja uma manifestação de força, de querer ser mais do que é, de agredir para ser mais do que o outro. Não dá para mandar o chefe para pqp, mas dá para ameaçar um ciclista, um pedestre, um idoso ou uma criança.  Uma espécie de anti-stress sanguinário, porque em vários casos, termina em morte da parte mais frágil. Descaso, negligência, incapacidade ou ruindade mesmo, eu não sei o que pode ser. Mas mata.
Estive lendo esse artigo, da BIKE COMMUTER, sobre algo que ouvimos muito.

O autor comenta uma conversa com dois colegas de trabalho que ao notar ou ao saber de sua condição de ciclista, fazem duras observações sobre comportamentos de outros ciclistas, de forma muito agressiva, quase criminosa. Em um deles, o colega narra que ficou momentâneamente cego por uma luz forte de um ciclista e que se tivesse um bom parachoques no Jeep dele, teria passado por cima do ciclista.  Em outro, a colega mostrou-se muito irritada quando foi retardada em 10 segundos porque um ciclista estava pedalando na faixa (lugar certo) e não no acostamento (onde ela acha que devia estar). E ela ficou tão enraivecida que ao ultrapassa-lo fez uma "punishment pass", a nossa conhecida "fina educativa". Fez isso para "ensinar uma lição" ao ciclista que estava pedalando no meio da faixa.

Quando li o texto me veio de imediato aquilo que o autor do post colocou para ambos: vc ia matar um ciclista, um pai, uma mãe, um filho, uma filha, só porque ele te deixou cego involuntariamente e por alguns momentos? Você se arriscou a matar ou aleijar um pai, uma mãe, um filho ou uma filha apenas porque ele te reteve por 10 segundos?

Quando nos transformam em "ciclistas", "pedestres", "motoristas", nós somos desumanizados. Nos tornamos anônimos.  Mesmo quando nós nos referimos a ciclistas mortos, pedestres atropelados, isso nos transforma em nada. Acho que doravante, cada vez que um de nós pensar em noticiar ou contar mais um ciclista morto, mais um pedestre atropelado, deve DAR NOME AOS BOIS. Deixar claro quem era aquele ciclista, pai, mãe, estudante, o que fazia na vida, quantos dependentes dele ou dela deixou. Precisamos tornar cada vida ceifada, uma pessoa, uma identidade, uma vida. Talvez, aos poucos, isso sirva para humanizar mais o nosso tráfego e nossas relações tão tumultuadas! Ou pelo menos despertar no poder público nossa fragilidade e necessidade de proteção.

COMENTEM...

9 de novembro de 2016

CONSELHOS ÚTEIS PARA USAR A BIKE TODO DIA.

Foto: DAQUI

Extrato daqui: http://bicycletimesmag.com/some-advice-for-bicycle-commuters/
Traduzido e adaptado livremente para o Recife, por mim!

Amigos...

Li essa matéria e achei legal para quem pedala todo dia...

COMENTEM...

============================

REGRA NÚMERO UM
A primeira e mais importante regra a seguir é essa: USE SUA MALDITA CABEÇA!  Isso se aplica a muita coisa hoje em dia, tipo "NÃO USE O SECADOR DE CABELO DENTRO DO CHUVEIRO". Mas é incrível como tem gente que não usa o cérebro que Deus lhe deu!

NÃO MATE NINGUÉM...
Parece redundante, mas não custa dizer que ao pedalar você não deve ameaçar ninguém. Não use as calçadas ameaçando os pedestres, nem force a passagem com sinal vermelho. Pedalar nas ruas não é videogame, nem você é um sociopata (eu acho!).

O QUE É DO "HOMEM", DEIXA QUIETO...
Os ciclistas são um grupo minoritário e oprimido que vive em um mundo projetado e criado para  "O Homem", o motorista que dirige uma SUV, teclando no celular com uma mão e com um café na outra. A maneira que nós escolhemos para lidar com isso é, sem dúvida, ou mais explosiva ou mais passiva. Se eu quiser me afirmar,  me grudar na estrada, basta fazer uma merdinha qualquer para esses monstroristas explodirem em seus carros. Mas vai adiantar discutir com um cabra assim?!

NÃO CONFIE EM NINGUÉM...
Não confie em sinais direcionais em carros, não confie em outros ciclistas, não confie em condutores acenando você, e com a certeza dos infernos não confie em adultos pilotando cinquentinhas. Não tenha dúvidas de que as pessoas vão fazer a coisa mais idiota possível no pior momento possível. Essa é a única regra que as pessoas seguem (exceto para você, você é realmente inteligente). Esta é a sua guerra, e os carros são seus inimigos.

MESMA RUA, REGRAS DIFERENTES
Eu posso passar um sinal vermelho, se não tem nenhum carro à vista. É perigoso? De forma alguma. Você tem controle sobre 360 graus ao seu redor, sem pontos cegos. E desde que seja seguro e razoável, não precisa ser 100% legal. Afinal, as regras de trânsito não foram todas pensadas para o ciclista.  Mas se lembre que furar um sinal na frente de vários carros e pedestres, desperta primeiro um certo rancor: PUTZ, FUROU O SINAL, ODEIO CICLISTAS! E claro, tem muito mais risco, por isso, siga a REGRA NÚMERO UM!

ILUMINE-SE! AJUDA E MUITO...
Ter um pisca aceso atrás da bicicleta ajuda a evitar que alguém atinja você "sem querer".  Apenas 5% dos americanos matam pessoas de forma intencional diariamente, e assim, os números estão a seu favor.  Ter uma laterna na frente também ajuda e muito.  Deixa você visível para os motoristas que vão a sua frente, e que pretendem entrar a direita, cortando seu caminho.  Também ajuda a tornar você visível para os pedestres, que pretendam atravessar em locais não indicados. Lembre-se, a faixa de pedestres também precisa ser respeitada por você pedalando!

A VELOCIDADE É SUA AMIGA...
Não é o caso de você se encher de drogas que deixem você psicótico quanto ao tráfego e disparar a mil pelo meio dos carros. Quanto mais perto da velocidade do tráfego, melhor será para você. Você irá se sentir mais confortável se a sua velocidade for compatível com o tráfego ao redor, e evita que os carros espremam você, cansados de aguardar que você ande mais depressa.  Acredite ou não, os carros respeitam seu lugar quando você está pedalando numa velocidade próxima a dele.  Claro que isso só é possível em ruas de baixa velocidade, ou se você treina pesado para manter 40 km/h na Agamenon!

BOCA GRANDE...
Sua boca pode lhe manter vivo.  Gritar um EI!, ALÔ!, CUIDADO! alertando quem vai abrir uma porta na sua frente, um pedestre que vai se lançar da calçada para atravessar a rua, ou um carro que pretende se atravessar na sua frente, pode salvar seu dia. Ficar calado equivale a poder vir a ser amassado!

MANTENHA UM OLHAR MORTAL (e com LASERS se for possível!)
Fixe o carro que vai lhe cortar ou fazer algo vagamente perigoso, e deixe-o saber que você está vendo ele fazer isso. É muito mais duro para um motorista tomar a decisão de atropelar você quando percebe que está sendo controlado.  Chegue até a sussurrar silenciosamente: EU PASSAREI POR CIMA DE VOCÊ!... KKKK

APONTE COM O DEDO
Você está entrando em um cruzamentoe, um carro se aproxima na outra mão, talvez ele tenha dado seta ou não, mas você percebe que ele vai virar em cima de você.  Aponte para ele como se dissesse: VOCÊ! VOCÊ É O PRÓXIMO! Como se você tivesse uma soqueira de bronze na outra mão e estivesse pronto para destruir o carro com uma porrada!  Uma face ameaçadora! KKKK

OLHO NO TRÁFEGO, NÃO NO SINAL.
Em um cruzamento, especialmente se for daqueles meio loucos, tipo Abdias com Gen.San Martin, controle o tráfego e não o sinal. Tenha certeza que os carros pararam para você poder atravessar.. Tenha cuidado e não considere que vai ser fácil atravessar.

RESUMINDO
Não mate ninguém, não morra, e use sua maldida cabeça!

4 de novembro de 2016

QUEM DESENHOU ISSO?

Parada em Campo Grande. Observem que a "meia sombra" é bem mais
clara que a sombra da árvore ao lado. E mais quente!
Serve para que essa parada? Fica muito mais
quente nela do que na árvore ao lado!

Amigos...

As prefeituras do Recife têm uma doença não diagnosticada: adora reinventar a roda!  E para isso, tem de acrescentar alguma novidade a cada roda inventada!  Estava numa parada de ônibus, em um belo dia de sol, 8:30 da matina.  Notei pela primeira vez que a PCR ou a sua filiada, Grande Recife Consórcio tinham feito as coberturam das paradas de policarbonato.  Para quem não sabe, aquele plástico muito resistente e, no caso, transparente.  Mesmo que ondulado, deixa passar bastante de luz, suficiente para aquecer quem está embaixo dela. E luz para que? De noite não serve, não tem o sol. De dia, escalda quem está embaixo! Recife é uma cidade onde teto totalmente transparente é um inconveniente absoluto.  "Caçamos" sombras aqui para fugir do nosso sol escaldante, atravessamos ruas para "ir pelo lado mais fresco". Aí vem uma empresa pública e tira a sombra das paradas de ônibus, onde com certeza, as pessoas esperam no "meio sol". Junto dessa parada tinha uma enorme árvore, essa com uma sombra completa, e com uma temperatura pelo menos uns 5ºC a menos que a parada.

Será que a PCR tem algum nórdico no departamento de design de pontos de ônibus? Só se tiver, porque eles adoram o sol que some meio ano! Só um desses adoradores do sol quente para fazer uma parada transparente!

COMENTEM...

25 de outubro de 2016

EMAGRECER PEDALANDO...


Parque de Santana: Use as ciclovias dos parques para aprender a pedalar.  São seguras e arborizadas.

Amigos...  Esse post é a tradução livre do texto abaixo. Estou seguindo algumas das idéias...

Perder peso com Ciclismo: Tudo o que você precisa saber
Pedale do seu jeito para um estilo de vida mais saudável
Via TOTAL WOMEN CYCLING.


Há muitas razões para querer perder peso. Se você estiver carregando um pouco de "excesso de bagagem', em seguida, deixar cair uns quilinhos, pode melhorar sua saúde e ajudar a evitar doenças cardíacas ou diabetes. Perder peso também pode melhorar a sua confiança, e seu desempenho na bicicleta - mas é importante que você sempre coloque o seu bem-estar em primeiro lugar. Foque em perder peso, se isso for melhorar a sua saúde e bem estar. Se você decidiu que perder peso vai ser benéfico para você -, então andar de bicicleta é uma ótima maneira de conseguir isso ...

Os benefícios de escolher ciclismo para perder peso 
Correr é muitas vezes considerado o número um dos exercício para torrar calorias. O problema é que é também 'alto impacto' - cada passo envia choques através de seus pés, tornozelos, pernas, joelhos - e assim por diante. Como resultado, é fácil de se machucar, e o risco é maior quanto mais pesado você é.

Andar de bicicleta, pelo contrário, é de baixo impacto. E sendo um exercício cardiovascular que queima calorias, ele também fortalece os músculos - especialmente os isquiotibiais, glúteos e quadriceps sem muito risco de lesão. Quanto mais fortes os músculos são, mais calorias seu corpo queima apenas porque os músculos estão ali. E suas coxas não vão se tornar enormes com isso, o que só acontece com muitas horas de academia e uma grande quantidade de proteína.

Andar de bicicleta também pode ser muito sociável. Pedalando maiores distancias e com amigos no fim de semana permite ver novas paisagens, enquanto o deslocamento para o trabalho no meio da semana, faz você economizar tempo e dinheiro. Ou você pode se exercitar na academia para máximizar com treinos de alta intensidade casado com tempo rápido. Há muitas opções - Então, onde você começa?

Introdução perda de peso através de Ciclismo
Agora que você decidiu que quer perder peso pedalando, por onde você vai começar? Antes de tudo você tem algumas decisões a tomar:

Com quem você quer pedalar?
Você quer pedalar sozinho, com um amigo ou como parte de um grupo de pedal? Todos estes métodos podem funcionar, você só precisa escolher o que é certo para você.
Se você está à procura de um passeio de grupo, há muitas opções lá fora. Existem grupos para iniciantes e com apoio, uma boa forma de começar do zero. Se você é um pouco mais experiente, você pode encontrar grupos que andam mais rápido mais adequado para você.  Procure no Facebook por grupos e você vai se surpreender com as opções, para todos os gostos e velocidades.

A maneira mais fácil de incorporar uma pedalada numa sessão diária em sua rotina é começar a ir e vir do trabalho usando a bicicleta. Se isso não é prático, porque você tem receio, você pode procurar uma organização chamada BIKE ANJO, que ensina gratuitamente a pedalar nas ruas. E você precisa decidir se você prefere acordar cedo e pedalar antes do trabalho, ou se você prefere pedalar à noite.
Você poderia procurar uma classe de Spinning na academia na hora do almoço - e estas classes são grandes para manter sua motivação em alta com sessões que irão variar a cada semana.

Você está pronto para o ciclo ao ar livre ou você prefere para começar dentro de casa/academia?
Ciclismo nas ruas é maravilhoso - você começa a desfrutar de ar fresco e uma dose de vitamina D. No entanto, andar dentro de casa usando rolos, é uma maneira fantástica de começar o exercício de alta intensidade, rapidamente. Montando conjunto de rolos ou indo a uma aula de Spinning, você não vai poder usar o acostamento ou roda livre - você vai ter pedalar constantemente de tal forma que meia hora de spinning ou rolos em casa é muitas vezes considerado igual a uma hora na estrada.

Para idéias de treino, confira essas três sessões de trinta minutos de formação.

Você quer fazer passeios longos e lentos ou passeios curtos e pesados?
Se você está apenas começando no caminho para entrar em forma e perder peso, você pode querer basear seus passeios ou "sessões" puramente em torno do tempo gasto com a bike. Andar no seu próprio ritmo e aproveitar a sensação de ficar ativo - cada pequeno detalhe vai ajudar e você não precisa se preocupar muito com intensidade.

Quando você ficar em forma, você pode querer adicionar um pouco de variedade. Passeios fáceis, onde você pode conversar e manter uma papo, são muitas vezes chamados de "passeios de queima de gordura ". Estes são bons para melhorar a sua capacidade de manter apenas girando os pedais, e queimando gordura.

No outro extremo da escala estão os  "Treinamentos intervalados de alta intensidade" ou simplesmente, treino intervalado. Trata-se de pedalar muito duro em curtos intervalos com pausas mais fáceis no meio. Estes treinos queimam os estoques de carboidratos que você ingeriu, e você vai precisar repor no dia em que fizer esse treino. Embora eles não sejam especificamente para queimar gorduras, alguns especialistas ainda acreditam que estas sessões são melhores para a perda de peso porque a alta intensidade significa que você queima mais calorias durante o dia e você também vai construir mais músculo através de uma sessão como esta.  Especialistas discutirão durante todo o dia sobre o qual forma de exercício é "melhor" para perder peso. A nossa resposta é simples: todas as coisas com moderação. Idealmente, o objetivo seria um par de sessões de treino intervalado durante a semana e um passeio mais longo quando tiver tempo no fim de semana. Isso vai treinar seu corpo, tanto a queima de gordura e de alta intensidade, as direcionar o aumento da força. E vai mantê-lo motivado, graças aos estilos diferentes de treinamento.

Que equipamento eu preciso?
Antes de sair em sua missão para perder peso pedalando, é importante que você tenha a bicicleta e equipamento de ciclismo corretos para você.

O item número um (a menos que você vai fazer todos as suas pedaladas em ambientes fechados) é uma bicicleta. Nós temos um guia para comprar sua primeira bike aqui.  É importante que você seja honesto consigo mesmo sobre que tipo de terreno que você estará pedalando, de modo que você compre a bicicleta no estilo certo. Uma vez que você sabe o que quer, você pode ir a uma loja ou comprar online.

Comprar sua primeira bicicleta em uma loja de boa reputação é uma boa idéia de como você pode precisar de ajuda para escolher o tamanho certo. Investir em um ajuste da bicicleta como algo mais pode evitar lesões mais tarde e honestamente é uma boa idéia para a maioria dos ciclistas. Se você comprar on-line, certifique-se de verificar o nosso guia de compras de segunda mão.

Você também vai precisar investir em alguma roupas de ciclismo confortável, bem-ajustada e respirável. Não é essencial usar shorts acolchoados e lycra, mas é mais confortável.  Você vai encontrar muitas revisões sobre todo tipo de vestuário e acessórios para ciclismo no nosso site para ajudar você a escolher, veja alguns:


Finalmente, você vai precisar de um kit com câmara de ar de reserva, bomba de ar ou tubo de CO2 comprimido, e alavancas para troca de câmara de ar, e é melhor aprender como consertar um pneu furado no conforto da sua casa antes de sair. É fácil quando você sabe como, nós prometemos!

As decisões tomadas: Qual o próximo passo para perder peso de bicicleta?
Então, você sabe onde você está indo pedalar, com o que e em qual intensidade. Em seguida, você precisa definir sobre como fazer isso acontecer!

Defina-se uma meta (e se comprometa a cumpri-la)
É sempre mais fácil fazer algo se você tem um prazo pairando sobre você para garantir que você não fure seu programa de treinamento.  Assim, a melhor forma é se dar um objetivo. E embora possa ser tentador fazer da sua perda de peso um objetivo específico, é muito mais saudável e divertido, escolher uma meta de distância e aptidão física necessária para cumpri-la.
O conselho mais comum que você vai ouvir é escolher um evento de ciclismo que está fora de sua capacidade e se inscrever para ele. Contanto que você tenha escolhido participar de um evento suficientemente longe no futuro (mais não muito longe), você não está tentando o impossível. Você será capaz de completá-lo, porque uma vez que você se inscreveu e pagou a taxa que você não tem muita escolha, além de treinar.
Certifique-se de dizer a sua família e os amigos que você se inscreveu para a corrida ou evento para que eles possam ajudar a mantê-lo motivado e a data não será capaz de passar despercebida se você decidir que não quer ir mais !

Dieta e nutrição
Às vezes nós complicamos a perda de peso. É realmente uma equação simples:

Mais calorias consumidas do que ingeridas = perda de peso

Você precisa queimar mais calorias do que você come - então é claro que o que você come é muito importante. Dietas da moda não são a resposta. Comer uma dieta saudável, equilibrada e tomar cuidado para manter-se hidratado e controlar o tamanho da porção. Evitar lanches desnecessários e vazios, e você vai estar no seu caminho!

Diferentes Dietas Explicadas
É também uma ótima idéia para introduzir mais proteína em sua dieta para manter a fome sob controle e ativar o seu metabolismo. Tente comer um café da manhã saudável e nutritivo dentro de quarenta minutos de acordar e comer um almoço cheio de proteína ou jantar depois de trinta minutos de completar um passeio de bicicleta.

Finalmente: a perda de peso não é um evento que ocorre da noite para o dia. Seja paciente.
Se você decidiu que quer perder peso, é compreensível que você queira estar no seu peso ideal mais rápido possível. No entanto, perder peso rapidamente, muitas vezes significa ganha-lo rapidamente.
Para perder peso de forma sustentável, você precisa revisar sua alimentação e sua atitude com a atividade física. Isso não acontece de imediato, portanto, não desanime se o progresso é lento.
Vale a pena lembrar que os músculos pesam mais que gordura: é possível perder vários centímetros nas dimensões e não perder muit de peso. Pode valer a pena acompanhar seu progresso com uma fita métrica, junto com a balança.

Contanto que você está se movendo na direção certa, você vai fazer progresso e conseguirá manter seu peso!

17 de outubro de 2016

RUAS OU TRILHAS?

Eu gosto de pedalar no verde, mas a preguiça de limpar a bike, me empurra para as ruas... KKKK


Amigos...

Onde vocês preferem pedalar?  Nas ruas da cidade ou pelo mato?  E na cidade, só onde tem ciclofaixa - móvel ou fixa? Ou você prefere explorar a cidade, em todos os seus recantos?  Confesso que sou uma pessoa urbana e ligeiramente preguiçosa, especialmente para lavar e limpar a bicicleta depois de uma trilha.  Por isso, curto pedalar muito pela cidade, usando as ciclofaixas mas não ficando restrito a elas.  Não sei se já comentei meus passeios "costurando" a ciclofaixa móvel, aquele troço que a PCR fez para fazer de conta que existe interesse deles em fazer infraestrutura para ciclista no Recife.  Existe muito espaço para pedalar fora do esquema que a PCR montou.  Basta a gente querer.

Apenas não recomendo que você faça isso sozinho. Nem mesmo em duplas.  Todos os dias, temos recebido via Facebook, notificações de ciclistas sendo assaltados, perdendo a bike e os pertences. Prefira andar em grupos, mesmo que apenas 3 ou 4 ciclistas, já inibe.

Então, a alternativa para uns passeios maiores são os grupos.  Grupos eram comuns até 2012, quando o atual prefeito assumiu. A criação da ciclofaixa móvel, e o aparente estado de crescimento do país, levava a uma boa vontade, e literalmente secaram os grupos.  Para que sair de bike à noite, quase sempre para os mesmos locais, se podia sair num domingo ou feriado de sol. Os grupos mixaram rapidamente!

Agora, depois de um tempo, quando aqueles que voltaram a pedalar na ciclofaixa já encheram de fazer os mesmos roteiros sempre, voltam a surgir grupos, de todos os tamanhos e para todos os gostos.  E com os grupos de volta, você pode escolher se vai entrar num rolê urbano ou se arrisca uma trilha, uma pequena ou grande cicloviagem, etc.  Tem opção para todos...

Bem vindo de volta aos grupos!

COMENTEM!!!

11 de outubro de 2016

ESPAÇO, STRESS E CARROS

Se tem algo que a CICLOFAIXA MÓVEL nos mostra é que as ruas tem muito espaço...

Amigos...

Quem pedala sabe o quanto de espaço tem no Recife dedicado quase totalmente ao carro.  Umas poucas faixas azuis e áreas para ônibus, um ou outro trecho de ciclovia e ciclofaixa não respeitada.  O resto, é para o carro.  Criamos uma atmosfera de segregação, falta de respeito, ignorância, brutalidade e violência no tráfego da cidade.  Gente que parece normal, no tráfego se transforma em um bicho, um animal com atitudes irracionais, agressividade e que só se intimida se aparecer uma jamanta do lado dele, fazendo com ele o que ele faz com quem pedala ou anda na cidade.  Lei do Mais Forte! Terra de ninguém. Culpa do stress? Talvez... Não se vai aonde se quer no Recife gastando menos que o triplo do tempo necessário. As ruas estão sempre lotadas de carros, sejam no tráfego, sejam estacionados. O sistema de transporte público é feito para dar lucro (muito lucro) ao empresariado, é ruim, ultrapassado, lento, sujo, impontual, tudo devido a falta de prioridade e excesso de espaço para o carro. O espaço para o pedestre é pouco, porque além das áreas de tráfego, é necessário deixar espaço PÚBLICO para que o motorista PRIVADO pare seu carro.  O pedestre e o ciclista que se espremam, tratados como cidadãos de segunda categoria (segunda? última!).  Cada um com seu possante, espremendo quem quer, e ficando por isso mesmo.  A PCR falou de INVERSÃO de prioridades, mas não cumpre nada ou faz nada para isso. E o povo ainda reelege uma anta dessas...  A prefeitura é omissa, e as pessoas continuam com seu "Dia de Cão"...

COMENTEM...


16 de setembro de 2016

A BICICLETA E A ECONOMIA MUNICIPAL...

Será que algum prefeito já pensou seriamente em quanto podia
economizar implantando uma boa infraestrutura para as bicicletas no Recife?
Será que isso é do interesse deles?

AMIGOS...

"O município dinamarquês de Gladsaxe, a noroeste de Copenhagen focou nas bikes e economizou milhões! A disposição do município para criar uma infra-estrutura cicloviária segura foi uma boa ideia, de acordo com novos cálculos.  Como cidades do mundo inteiro, a cidade de Gladsaxe tem procurado tornar as estradas mais seguras para seus cidadãos. A solução que eles encontraram, é simplesmente tornar as estradas mais amigáveis para as bicicletas. Para fazer isso, a cidade já transformou 94% da sua rede rodoviária para limites razoáveis ​​de velocidade (30 ou 40 km/h) ou implantou  ciclovias segregando o tráfego. Começaram em 1984, quando a meta era fazer ruas mais seguras por meio de métodos para acalmar o tráfego e infra-estrutura de bicicletas, e tem se mostrado que esse está sendo um investimento rentável. Um estudo realizado pelo Grupo de Pesquisa de Tráfego Universidade Aalborg encontrou que os esforços foram recompensados ​​de forma significativa. Até o momento a cidade investiu 24 milhões de euros em acalmar o tráfego e em infra-estrutura ciclável, gerando uma economia de  66 milhões de euros em cuidados diretos com a saúde. O estudo analisou também as lesões devidas ao ciclismo na região, bem como hospitais e pronto-socorro com tratamentos de ciclistas envolvidos em uma colisão com automóvel.   Acontece que colisões de trânsito são muito caras.  As estimativas sugerem que as melhorias na cidade de Gladsaxe resultaram em 4.500 menos colisões de trânsito com lesões, tudo isso enquanto o tráfego de bicicletas aumentou 15 por cento. Cálculos desenvolvidos por Cowi Engineering Consultants para o município sugerem que a despesa pública média por pessoa ferida em um acidente de carro é pouco mais de 17.000 euros. Uma parte significativa deste custo (tratamento hospitalar, cuidados e reabilitação) é coberto pela cidade.  E a bicicleta continua dando lucro.  O estudo constata  que a poupança de saúde no município cresceu para 0,09 euros por quilómetro pedalado. E, com um aumento de 15 por cento no tráfego de bicicletas em Gladsaxe desde 2000, o município pode gabar-se de quase 5 milhões de euros em poupança, dinheiro economizado pelo município."

A parte desse post em itálico é uma tradução da versão em inglês do artigo recente de Søren Astrup para o jornal dinamarquês Politiken.  Extraído daqui.

-----------------------

Corta para o Recife, onde a Ameciclo analisou e publicou um Índice de Desenvolvimento Cicloviário, o IDECICLO, que esse ano foi de 0,059 (valor máximo = 1).  Apesar dos jornais locais apontarem algumas ciclovias muito boas e outras péssimas como resultado do estudo, o mais importante é que a cidade como um todo tem um índice pífio que descreve com exatidão um sistema desconectado, pobre, mal feito, e totalmente anti-bicicleta.  Isso mostra que para nossos quatro últimos prefeitos, usar o dinheiro público para evitar acidentes e melhorar a saúde do povo (nenhuma das duas coisas é visível ou dá voto) não faz sentido.  Eles preferem continuar fazendo hospitais (obra visível) e mantendo a população mais pobre atrelada a um sistema de saúde desgastado e superlotado (SUS que os prefeitos nem pagam nem usam).  Pense nisso quando for defender os dois candidatos majoritários nas pesquisas: eles já tiveram a chance deles de fazer certo, e não fizeram.

COMENTEM



1 de setembro de 2016

AMSTERDAM, VALE SONHAR...

SONHE...

AMIGOS...

Sonhar ainda é de graça... tenha esperança, até Amsterdam já foi carrocrata!  Mas hoje, está assim... quem sabe um dia, Recife, fica assim!

COMENTEM!

31 de agosto de 2016

OS 7 QUILÔMETROS...


Quase qualquer lugar na cidade fica entre 7 e 14 km de distância. 

Amigos....

Copenhague, Amsterdam, cidades cicláveis, espelho para todas as cidades que pretendem ter uma qualidade de vida melhor.  Ambas tem boa parte da cidade acessível num raio de até 14 km, a partir do Centro.  Amsterdam, tem esses 14 km como raio de uma área circular de 28 km. Em Copenhague, os 14 km partem de um ponto no centro, perto do mar, em um semicírculo que abrange quase toda a cidade.  Recife é parecida com Copenhague. Partindo do marco zero, temos 14,6 km até Camaragibe, 6,6 km até o Varadouro em Olinda, e pouco mais de 11 km até o final de Piedade, começo de Jaboatão.

No tráfego, sem correr, você pedala normalmente a 14 km/h de média.  Dessa forma, 7 km se faz em cerca de meia hora, sem suar.  E sem ciclovia. Com ciclovia, tendo prioridade, com certeza se faz mais que 14 km/h.  Recife é plana e tem pontes. Mas Amsterdam tem muito mais pontes, e canais em toda a cidade, o que obriga o povo a fazer mais voltas. Recife tem uma estrutura de avenidas que irradia do Marco Zero, e algumas das avenidas "mais retas" do mundo.  Então o que falta para termos uma estrutura cicloviária que tire carros das ruas, que reduza o uso do transporte público (e com isso, melhorando ele!), que melhore a saúde da população, que reduza os gastos do SUS, e que finalmente, melhore a vida de todos?

Vontade. Coragem.  Iniciativa.

Esse ano, você pode mudar isso escolhendo bem quem vai governar a cidade. Chegou a hora de colocar na PCR alguém que seja realmente comprometido com a melhora do tráfego da cidade, que tire fora essas antas que controlam o "projeto" de mobilidade da cidade e que só privilegiam o carro particular. Chegou a hora de cobrar o plano cicloviário, as soluções de menor custo para disponibilizar a infraestrutura para tornar o Recife mais humano, menos máquina.

COMENTEM!

29 de agosto de 2016

DE NOVO, PEDESTRES SE LASCAM...


Já imaginaram essa parada 18h? Vai continuar sendo impossível não usar a
avenida para passar, arriscando a pele para deixar os carros "confortáveis"

Amigos...

Novamente, a PCR faz pela metade. Quando se trata de beneficiar os pedestres e o sistema público de transporte e prejudicar o carro, o mundo se acaba e a PCR não joga do lado da maioria.

Falaram tanto na reforma das paradas da Agamenon, que era um absurdo ficarem inclinadas, sem pé nem cabeça e sem nenhuma acessibilidade, inclusive para quem não tem problemas físicos ou é jovem.  A PCR pressionada pela mídia, "resolveu" arrumar o problema.  Eu "ainda" tive a leve esperança que Geju ia peitar o status carrocrata, em ano de eleição!  Mas qual!  Olha a m... que ficou: estreita (não cabem 2 pessoas lado a lado), com poste no meio (cadeirante que se vire!), e sem tirar um único centímetro dos carros. É esta a "inversão de prioridades"? È esta a tua versão de cidade para todos? Quero não, cabra!

Pode ir arrumando a mala para voltar a ser o nada que tu era como funcionário público.

COMENTEM!!!

11 de agosto de 2016

GRAND PRIX DE MTB 2016



 AMIGOS...

I  GRAND PRIX DE MOUNTAIN BIKE– ANO 2016

REGULAMENTO DA PROVA

1.0. – A prova

1.1. A Prova de ciclismo GRAND PRIX DE MOUNTAIN BIKE– ANO 2016, doravante denominada EVENTO, será realizada no dia 03 de DEZEMBRO de 2016, na cidade de GRAVATÁ  região, próxima a capital Pernambucana no qual participarão PESSOAS DE AMBOS OS SEXOS devidamente inscritos, doravante denominados ATLETAS, independentemente da condição climática.

Deste evento, fazem parte:
A CORRIDA GRAND PRIX DE MOUNTAIN BIKE– ANO 2016 participativa com distância aproximada de 20 km (vinte quilômetros) para a categoria feminina doravante denominada 20 Km.
A CORRIDA participativa com distância aproximada de 60 km (sessenta quilômetros) para a categoria masculina doravante denominada 60 Km.

1.2. O EVENTO terá LARGADA e CHEGADA no parque da cidade de gravatá-PE, conforme o percurso detalhado divulgado no sites do EVENTO.

1.3. O início do EVENTO está previsto para os seguintes horários abaixo, conforme a Largada Geral

Hora da largada 08:00 horas da manhã

Categoria do atleta

1.4. (CATEGORIA MASCULINA)
OBS:Valor por cada atleta inscritos na prova R$100 cem (reais)
ELITE MASCULINA sairá na frente
Os demais sairão após os atletas da elite masculina.

1.5. (CATEGORIA FEMININA)
OBS:Valor por cada atleta inscritos na prova R$100 cem (reais)
ELITE FEMININA sairá na frente
Os demais sairão após os atletas da elite feminina.

Um esporte em ascensão.

1.6. Ciclismo é um esporte de corrida de bicicleta cujo objetivo dos participantes é chegar primeiro a determinada meta ou cumprir determinado percurso no menor tempo possível.

Foi na Inglaterra, em meados do século XIX, que o ciclismo iniciou-se como esporte, época em que o aperfeiçoamento do veículo possibilitou o alcance de maiores velocidades. O ciclismo é regido por diversas regras. Geralmente enquadra-se em quatro categorias: provas em estradas, provas em pistas, provas de montanha (Mountain Bike) e BMX e é praticado com diversos tipos e modelos de bicicletas.
No Mountain Bike existem várias categorias que são divididas em mais ou menos radicais, e são elas: cross country, em todo o tipo de terreno, de preferência no monte, seja a subir, plano ou a descer; o Free Ride, com um andamento mais extremo em que se dá preferência a saltos e descidas; o down hill, que é a versão mais extrema e perigosa do MTB que consiste somente em descer, normalmente a velocidades altas, sendo este praticado tanto no monte ou em cidade (o chamado downhill urbano ou DHU). Em Lisboa, o mais famoso evento desta disciplina é o Lisboa Down Town que se realiza anualmente em Maio e que consiste na descida da encosta do Castelo de São Jorge até ao arco da Red Bull.
Em termos de saúde, o ciclismo é uma atividade rítmica e cíclica, ideal para desenvolvimento dos sistemas de energia aeróbico e anaeróbico, dependendo do tipo de treinamento aplicado. Desenvolve o sistema cardiovascular dos praticantes, sendo ainda indicado por médicos especialistas como ótimo exercício para queima de gordura corporal e desenvolvimento de resistência de força muscular de pernas, em treinamentos.
O mundo moderno inventou também o ciclismo estático, ou seja, a prática do ciclismo em bicicletas ergométricas e em locais fechados, casa, academia, clube, etc, um exercício aeróbico alternativo e seguro ideal para indivíduos que desejam maior segurança, sustentação e facilidade de manejo do que o ciclismo de estrada ou de pista.
O ciclismo estático é indicado para pessoas que apresentam determinados tipos de lesões de joelhos, quadris, coluna e que não podem caminhar; grávidas, idosos com osteoporose e principalmente obesos.

Histórico e inspirador

1.7. A GRAND PRIX DE MOUNTAIN BIKE– ANO 2016.

É realizada na cidade de Gravatá próximo a Recife, capital do Estado de Pernambuco. Situada no litoral nordestino,  disputando com elas o espaço estratégico de influência na Região.

1.8. O percurso da I  O  GRAND PRIX DE MONTAIN BIKE– ANO 2016.

Passará pelas principais ruas  da cidade em sentido a zona rural. Com largada o parque da cidade de gravatá, a prova contemplará o centro da cidade e trechos da zona rural.

Percurso
(divulgaremos em breve)

60 KM MASCULINO
20 KM FEMININO

Ponto de Hidratação.
Será disponibilizado um ponto de hidratação no local de largada da prova

1.9. Largada: Em frente o parque da cidade de gravatá – centro da cidade com apoio de uma equipe de batedores para a segurança dos atletas desta prova.

Atenção:
1.10. As vias interditadas terão acesso restrito e controlado pelos agentes do trânsito para moradores, comerciantes, trabalhadores da cidade de gravatá e região e veículos oficiais a trabalho (viaturas da polícia, bombeiros e ambulâncias).

O I  GRAND PRIX DE MOUNTAIN BIKE– ANO 2016.
É promovida e realizada pela JF Assessoria Esportiva & Eventos.

Atenção:Todos os atletas inscritos nesta prova deverá está preparado fisicamente.

9 de agosto de 2016

CAPACETAR-SE OU NÃO?



Safety at the World's Busiest Cycle Intersection (Copenhagen) from STREETFILMS on Vimeo.


CAPACETAR-SE ou NÃO CAPACETAR-SE, esta é a questão?  A questão que ficou na pauta depois que a ciclista holandesa Van Vleuten quase se acaba numa curva na prova de ciclismo de estrada feminina na Olimpíada do Rio.  Tombo feio, ela ficou imóvel, ainda bem que ninguém mexeu porque com 3 vértebras fraturadas, isso podia virar uma paraplegia. Ainda bem que não sofreu nada na cabeça também porque estava de CAPACETE! kkkkk...

Ora, galera, existe sim uma enorme diferença entre pedalar para ir comprar pão e pedalar esportivamente.  Você não usa capacete no seu carro, mas o Airton Senna sempre precisou usar o dele na Fórmula 1.  Então porque seria diferente com a bicicleta?  Ah, a bicicleta não tem o "escudo de aço" da lataria do carro.  Em condições normais, o ciclista não precisa dele.  A bicicleta anda a 10 km/h.  A maioria das mortes no trânsito são de acidentes de moto, acidentes com pedestres, com motoristas de carro, e lá no fim da lista, com os ciclistas.  Existem fatalidades, mas a quase totalidade delas pode ser evitada simplesmente tomando cuidado, estando atento ao tráfego, evitando disputar espaço com ônibus, caminhões e SUVs.  Ademais, com o tráfego parado como tem andado, é mais provável que você seja atropelado por um cachorro!

Então, se não for "pilotar" sua bike em trilhas, não for treinar velocidade, não for correr e quiser apenas descortinar a paisagem, curtir uma bela tarde, ou comprar pão (!!!), deixe o capacete em casa e sinta o prazer do vento nos cabelos (só tenho 4 , feito o Cebolinha!)... e aproveite!

Em tempo, no vídeo acima, um pouco de tráfego civilizado, em Copenhagen.  Um local onde a bicicleta é a maioria... olhe quantos capacetados?!?! Poucos né?!!?

COMENTEM...

25 de julho de 2016

ESTÁ QUASE LÁ...



Amigos...

Se tem algo que me incomoda em bicicleta, é a quantidade de ítens avulsos e precários que você tem de colocar na bicicleta.  Precários, porque você não tem segurança que vá deixar um ciclocomputador ou uma lanterna na bicicleta, e vai encontra-los quando voltar.  Então ao parar a bicicleta em algum lugar público, literalmente precisa tirar tudo de avulso, tudo de conforto, tudo que não for aparafusado no quadro. E haja mochila para tanta tranqueira. Até as rodas, se for troca-rápida, convém prender na corrente, senão a bicicleta pode estar sem ela quando você voltar. Para vocês terem ideia, até meu cesto que tem um gancho QUICKFIX, tem um cabo de aço com cadeado para evitar que seja furtado.

Ai vi essa bike, a VOLATA, com quase tudo integrado.  Para mim, faltam apenas os paralamas, o bagageiro e o cesto frontal.  Na reportagem da Inhabitat de onde vi essa bike, o jornalista não gostou, achou que era uma "carrogeração" de uma bike, transformação da bike em um carro.  Achou que é um projeto complexo, que não considera que a vida útil de cada peça é diferente, portanto, melhor deixar do tipo "bota-tira-bota". Segundo ele é melhor equipar a bike a medida que precisa.  Eu discordo, porque moro em uma cidade em que uma lanterninha decente custa uns 70 reais, e um pilantrinha afana para comprar drogas por 10 reais!  E eu posso me ver no escuro e sem iluminação por conta disso. Se for tudo embutido, melhor.

Então, estamos chegando lá, essa é a boa notícia.  Chegando em uma bicicleta sem adicionais de importância, onde lanternas, GPS, alarme, campainha, e espero, paralamas, bagageiro e cesto, sejam itens de série, que a gente não precise comprar mais nada!

COMENTEM...

15 de julho de 2016

E O PAPEL DO CICLISTA?


DICAS PARA OS CICLISTAS AUMENTAREM SUA SEGURANÇA!Fonte: DAQUI


Amigos...

A gente fala, fala, fala, mete o pau no comportamento dos MONSTRORISTAS, dos taxeiros tresloucados, nos que dirigem ônibus, nos motoqueiros desgovernados e em todos que torram gasolina, poluem o ar e enchem o saco!

Mas a gente não pode deixar de falar do ciclista também.  Não de todos, não daqueles mais responsáveis, que pedalam com prudência. Prudência e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, como dizia minha vó. Entenda prudência como cautela em evitar riscos desnecessários, coisa que outro tanto de ciclistas não observa. Particularmente aqueles de baixa renda, só observando. Muitos cometem várias ações de alto risco, na boa, como se fosse a coisa mais normal do mundo.

Vejamos um exemplo, o carro está parado ao lado de um ônibus, portanto, o motorista não pode ver quem vem pela frente do ônibus, cruzando as linhas de tráfego. E de repente, surge na frente do ônibus, um ciclista com 4 garrafões de água na bike (portanto, pesada e menos controlável) executando uma peripécia quase mortal para ele, já que o carro tinha começado a andar e por pouco não o atropela.

Podemos culpar o motorista? Até que ponto é responsabilidade do ciclista evitar essas manobras?

Bem, vivemos uma situação de descontrole de tráfego muito grande, sem que o poder público entenda e atue para de algum modo, favorecer a segurança do ciclista. Não temos ciclovias, as poucas vão do nada a lugar algum ou são turísticas.  Mas ciclistas tem muito, e teria muitos mais se a infraestrutura ajudasse.

Então, a meu ver, o ciclista às vezes age de forma não segura por necessidade não suprida pelo poder público, que considera os carros como donos das ruas e com todos os direitos sobre os demais modais. Se eu tivesse de atribuir culpa, apenas uns 20% seria do ciclista, porque ele poderia ir por trás do ônibus, quando seria mais visível para os demais veículos. O motorista deve sempre dirigir devagar, sem arrancadas, especialmente se está numa situação de falta de visibilidade. Assim, pelo menos os 80% de culpa dele no caso de atropelamento, não vai causar 100% de morte!...

COMENTEM!!!

11 de julho de 2016

"PINTADO" DE VERDE.....

Adianta de "maquiar" de VERDE SUSTENTABILIDADE?

Amigos...

A FENEARTE é uma unanimidade como feira.  Inegável que tem uma variedade enorme de itens de arte e artesanato, que dá para decorar uma casa toda com peças expostas ali.

Este ano, a feira trouxe uma novidade: bikefoods!  Vi vários negócios montados em cima de uma bicicleta.  Pena que muitas são apenas "green washing", quer se vender como antenado, atual, sustentável, mas sai dali com a bike no carro para o próximo destino comercial.  A bike entra como "limpeza esverdeante" do negócio, fazendo de conta que é de verdade.  Negócios de verdade, mas bikes de mentira, com pneus novos estalando de novos e limpíssimos, até com aqueles pinos de borracha, novíssimos.  Ou pneus usados, mas completamente muxos.

Interessante que esse pessoal acha que engana alguém!  Quem entende de bike, não cai nessa. Quem não entende, está pouco se lixando.  Sinceramente, era melhor botar numa barraquinha básica, e assumir logo que não pode passar sem as quatro rodas e a fumacinha da gasolina.  Ficava menos feio.

Essa "faxina esverdeada" tem aparecido em vários negócios. Sob o tema sustentabilidade, fazem de tudo para não mostrar sua face de agressão ao meio-ambiente. Pena, a gente precisava mais da verdade que dessa fantasia ciclística desnecessária!

COMENTEM...

30 de junho de 2016

EU QUERO...



Amigos...

A discussão sobre se o capacete de ciclista serve ou não ao usuário comum, no dia a dia, não é o objetivo deste post.  Eu sou adepto da simplicidade e uma das coisas que mais me incomoda é o tanto de "coisinhas" que você tem de remover da bike toda vez que estaciona, para evitar furtos.  É lampadinhas, ciclocomputador, cestinhas não fixas, capacete, garrafa de água e claro, suas bolsas de qualquer tipo, etc. Muita tralha junta.

Então, esse capacete serve como se fosse um TUDO EM UM.

Primeiro, com essas duas câmeras, de frente e de ré, ia dar muita multa (se é claro, houver receptividade por parte do poder público!)... Depois, esse sensor de ponto cego que te avisa quem vem atrás de você, também é bem vindo. Lampadas de ré e sinalização, eu acho meio supérfluo, mas se tem deixa.  E musiquinha embutida, também é o bicho, porque podemos continuar mantendo o "radar" auditivo operando, mesmo ouvindo uma musiquinha de fundo.  Concentrar tudo numa peça só, facilita muito a vida do ciclista.

Mesmo que a gente não precise realmente...

COMENTEM...

28 de junho de 2016

SE TODOS FOSSEM IGUAIS A VOCÊ...

 Amigos...

Seria tão legal se pudêssemos contar com este tipo de serviço em mais locais públicos do Recife.  Foto tomada no ano passado, com o serviço de PIT STOP DO RIOMAR,e com o seu ENORME bicicletário.  Tá que o Pit Stop não é só para bicicleta, mas e daí?!  A gente não conta com nada muito exclusivo mesmo.  Nada.




Pelo mundo a fora, bicicletários assim são padrão.  E que não se diga que NÃO TEMOS POR FALTA DE CICLISTAS.  Mais de uma vez, já vi o bicicletário do Riomar lotado.  Ali e no Plaza, ciclista é coisa séria.  Pena que o mesmo shopping que constroi algo assim, deixa o acesso do ciclista em sua "PONTE PARTICULAR", completamente desprovida de acesso.  João Carlos bem que podia dar uma pressionada no GEJUM para ele colocar uma ciclovia de acesso pela Agamenon até o Riomar... Já imaginou ir pedalando ao Shopping?  Forcinha ai, JCPM?!?!?


COMENTEM...

26 de junho de 2016

PRECISA REPETIR...



Amigos...

Qual criança birrenta, motorista de ônibus parece teimar e não aprender com os simulados para lidar com os ciclistas. Passou o efeito dos treinos!!

Aquela história de colocar os motoristas em bicicletas e passar de ônibus "tirando a pele" deles, foi ótima, mas vários motoristas "esqueceram".  Ou então foi a rotatividade profissional!  A queixa geral tem sido dos motoristas voltaram a tirar finas e a desrespeitar os ciclistas, em nome de uma pressa diária.  A gente sabe que o problema é causado pela quantidade de carros nas ruas que dificulta o tráfego dos ônibus, mas como eles não podem descarregar sua frustração nos motoristas, descarregam nos passageiros e nos ciclistas.

A gente merece respeito, e nova rodadas de treinamento, especialmente como os motoristas novos, para ir sedimentando o comportamento civilizado nas mentes tacanhas de alguns monstroristas!

COMENTEM...

A CARROCRACIA FINAL

Alguém vai botar ônibus numa avenida dessa largura (Brasília, Lago Norte)?
E essa ciclovia no acostamento!, Funciona?
Amigos...

Estive alguns dias em Brasília, à trabalho. Já postei aqui um breve comentário sobre o assunto, mas depois de algumas pedaladas, maturei melhor o que observei. Uma cidade em que o transporte público não presta,  força a sociedade a usar o transporte privado, o carro.  Se a cidade tem infraestrutura para bicicleta, isto ainda não significa que ela vai ser usada. Algo como uma "cultura da cidade" afeta essa decisão. Brasília foi criada para o carro, e ao longo do tempo, não mudou essa mentalidade. O número de ciclovias está aumentando muito e o de ciclistas também, mas ainda é uma quase inexpressiva minoria, que você vê pouco nas ruas.

Observar Brasília é constatar que:
"quanto mais espaço, mais carros"
"construa a infraestrutura que os ciclistas aparecem"
"uma cidade sem transporte público decente nunca vai deixar de usar o carro"

Em uma escala mais compacta, apertada, sufocante e francamente claustrofóbica, Recife é igualzinha. Sem planejamento, mas ansiosa por ser mais do que é, Recife foi forçando o carro onde deu. Alargou ruas na marra, sacrificou calçadas, botou árvores no chão, imprensou todo e qualquer obstáculo a passagem do "santo carro".  Recife queria ser Brasília, A CARROCRACIA FINAL, mas é muito caro, tem de "armengar" uma soluçãozinha "mequetrefe" para ver se resolve. E não resolve, claro!

Então, estamos fadados a continuar apertados, preso em engarrafamentos sequenciais, em um sofrimento dantesco a qualquer povo...

Ou comprar uma bicicleta e "correr pro abraço"!!!

COMENTEM!!!

21 de junho de 2016

REPORT DO "PARAÍSO"...SQN!

Assim, de longe, haja espaço!

Amigos...

Se tem um lugar na Terra que pode ser considerado como o PARAÍSO dos carros, esse lugar é Brasília. Apesar de já ter algumas iniciativas como Metrô e construção de ciclovias, ainda é uma cidade onde ficar sem carro é sofrer.  Passei uns dias por lá e observei como deve ser difícil a vida do ciclista e do pedestre em uma cidade com avenidas de largura quilométricas, com canteiros gigantescamente cheios de árvores, e passagens de pedestres separadas por distâncias quase impensáveis.  É uma maratona conhecer a cidade, se não tiver um carro.  E outra se tiver, porque andar entre tantas entradas, saídas, fazendo um giro enorme para não ter cruzamentos e engarrafamentos, deixa qualquer um tonto.

Quanto mais espaço, mais carros...
Realmente, engarrafamentos como conhecemos no Recife, vi poucos.  Nas ruas, os carros andam em alta velocidade.  Frase de um parente: UM DIA MORRE UM MOTOQUEIRO, NO DIA SEGUINTE UM BICICLETEIRO! Mesmo onde tem ciclovias, algumas não são realmente protegidas. E quanto mais espaço se dá, mais carro tem (foto)! E isso para nem falar que todo mundo corre no limite das vias, muita gente tem carros grandes, é cheio de "sabe com quem tá falando" motorizado, e todo lugar fica a quilômetros.


Pedalar em uma das ciclovias do LAGO NORTE, um acostamento convertido em ciclovia, com brechas para as paradas de ônibus, e sem nem mesmo umas "tartarugas" para separação com o tráfego, é um ponto de risco na Capital Federal!

Andar por Brasilia exige atenção, paciência, e é coisa só para GPS!  Mas eu gostei da cidade. Como Recife, é plana, e creio eu, vai ter um futuro melhor para os ciclistas. Ao contrário do Recife, o governo de Brasília está implantando ciclovias em toda a cidade. Mesmo que algumas não sejam lá grande coisa, quanto mais, maior a probabilidade de aumento dos usuários. Faça a infraestrutura e os ciclistas aparecerão.  E Brasília está fazendo!

COMENTEM...

10 de junho de 2016

PORQUE A LINGUAGEM IMPORTA QUANDO FALAMOS DE ACIDENTES ENTRE CARROS E BICICLETAS!

ARTIGO LONGO...
COMENTÁRIO PRÉVIO: Mudam as pessoas, os países, as cidades, mas isto podia ser o que o DIÁRIO DE PERNAMBUCO ou o JORNAL DO COMMÉRCIO, ou ainda um dos canais de TV da cidade fazem quando descrevem um acidente entre CICLISTAS e MOTORISTAS no Recife. Somos sempre os culpados, MESMO ESTANDO CERTOS.
-----------------------

Na última semana, uma jovem de 27 anos morreu após uma "interação" com um caminhão de combustíveis no Brooklyn, N.York, EUA. Esta é uma forma NEUTRA de se expressar à respeito de uma notícia dessas. Essa mesma notícia foi dada por um noticiário americano em duas versões, e está sendo usada aqui para exemplificar o poder das palavras.  A mesma repórter deu as duas versões.  Na primeira, no dia do acidente, a repórter entrevistou os investigadores e deu a seguinte manchete e um trecho da notícia:

CICLISTA MORRE APÓS BATER EM CAMINHÃO DE COMBUSTÍVEL NO BROOKLYN.
Uma mulher andando de bicicleta para o trabalho foi morta depois que bateu em um caminhão de combustível na terça de manhã, no Brooklyn. 
A polícia disse que a ciclista de 27 anos estava na pista de bicicleta em direção ao norte e colidiu com o caminhão - que estava indo na mesma direção quando ele virou à esquerda em um cruzamento. O caminhão não tinha um sinal de parada. Investigadores disseram que a ciclista bateu na traseira do caminhão e foi puxada por baixo. Ela mais tarde foi declarada morta no hospital. Testemunhas disseram que a ciclista estava distraída em seu telefone celular.

No dia seguinte, a manchete e o texto haviam mudado:

MOTORISTA ENFRENTA ACUSAÇÕES QUANDO SEU CAMINHÃO FECHOU E MATOU UMA CICLISTA 
Uma mulher andando de bicicleta ao trabalho foi morta depois que foi atingida por um caminhão de combustível na terça de manhã, no Brooklyn. 
A polícia disse que ela estava na pista de bicicleta em direção ao norte e foi atingida pelo caminhão - que estava indo na mesma direção - quando ele virou à esquerda no cruzamento. Investigadores disseram que a ciclista foi puxada para baixo do caminhão. Mais tarde ela foi declarada morta no hospital. As autoridades disseram que a ciclista tinha o direito de passagem quando foi atingida. 

Observe que não existe mais referência ao telefone celular.

No artigo original, parece que o motorista fez a curva certa e que por olhar no celular, a ciclista se chocou com ele. Na versão corrigida, o motorista é colocado como culpado e levado preso.

Porque são versões tão diferentes? O cicloativista Doug Gordon observa que a polícia tem uma longa história de culpar as vítimas. E questiona os jornalistas que cobrem estes eventos de morte de vulneráveis nas ruas sobre porque é tão importante ser o primeiro? Porque não esperar e fazer a coisa certa!?  As palavras realmente importam e é como se existissem duas histórias diferentes aqui.  Uma culpa a vítima. Outra o motorista. E o único fato em comum as duas é que a ciclista está morta.

Original da Treehugger, daqui!

--------------------------------------

3 de junho de 2016

AS PRIORIDADES DA PCR

CADÊ A CICLOFAIXA QUE ESTAVA AQUI?! A PCR COMEU...
No domingo passado, por conta do jogo no campo do Sport, a ciclofaixa de turismo e lazer
foi "interrompida" na Ilha do Leite, sem aviso, sem preparação. Ciclista que se vire, como sempre!
Foto: GERO@ 2016
Amigos...

Todos os dias temos notícias de ciclistas atropelados, de pedestres desrespeitados, de ônibus presos em engarrafamentos.  Ao assumir, a atual administração da PCR anunciou uma "inversão de prioridades", abrindo espaço nas "ruas dos carros" para as pessoas, para os ônibus, pedestres e ciclistas.  Mas em 3 anos e meio, pouco fez.  Os corredores de ônibus não são respeitados, invadidos dia a dia por motos e carros. Multas, dizem que tem, eu nunca soube de uma recebida. O plano cicloviário vendido como grande trabalho da atual administração, praticamente nada foi tocado. Calçadas? Será que as calçadas passariam numa pesquisa simples com os pedestres?!  Ora, claro que não.

Mesmo a tal CICLOFAIXA de Lazer e Turismo, obra para vender um "pseudo-envolvimento" da PCR com a bicicleta, não tem prestígio algum. Basta um jogo na Ilha do Retiro, e o braço Oeste fica inativo. Pior.  Ao invés de interromper logo no centro, arrasta os usuários até a ilha do Leite e larga o povo no meio do tráfego. Esquece que nem todos são realmente ciclistas, mas saem para fazer um passeio com as crianças, uma volta ali num domingo assim, meio chuvoso. E sem aviso, todo mundo no tráfego!!

Por isso, Sr.Prefeito, não tem mais nem meu voto (se arrependimento matasse!?!), nem meu apoio (o pesadelo nunca termina!), nem mesmo minha condescendência.  Se vire!

COMENTEM!!!

27 de maio de 2016

À PROVA DO RECIFE?

ELEGANTE, URBANA E PROTEGIDA, por tudo quanto é santo!

Amigos...

Lançada pela holandesa VanMoff, uma nova bicicleta urbana que "elimina o medo dos ladrões de uma vez por todas".  A SmartBike virá equipada com muitos recursos avançados, como um bloqueio interno sem chave que reconhece sua mão usando a tecnologia Bluetooth, luzes automáticas controladas por meio de um aplicativo de smartphone integrado, e porcas e parafusos anti-roubo, além de um sistema embutido de rastreamento. Mais do que isso até!  A bicicleta vem com uma garantia que nenhuma outra tem: GARANTIA PAZ NA MENTE! Se a bicicleta for roubada, a empresa ativa uma equipe de recuperação que tem duas semanas para recupera-la, ou a empresa envia uma nova bicicleta.  Essa garantia, grátis por dois anos após a compra, pode ser estendida com uma taxa mensal após o vencimento.

Será que resiste ao Recife?

COMENTEM!

19 de maio de 2016

O NOSSO CÓDIGO

Foto: DAQUI


Amigos...

Um código de trânsito como o CTB, publicado como lei em 1997, tem várias falhas quando se observa as relações entre as quantidade de veículos, e os diversos modais de hoje. Tudo bem que estabelece uma ordem de prioridades de força para proteger os mais fracos e exige que os motoristas respeitem pedestres e ciclistas. Mas as punições são brandas, as finas educativas continuam, e quem pedala ou anda continua sofrendo.  Um fino em um ciclista pode custar a vida dele, mas a multa não chega a R$ 100. É pouco para obrigar os motoristas a respeitarem pedestres e ciclistas.

Mas a questão aqui é que precisamos ter um código de conduta nosso. Não algo que imponha a nossa visão ao do motorista, mas que nós passemos a seguir e a divulgar, para evitar causar problemas a nós mesmos.  Não entendi! Dá um exemplo? Você está pedalando em uma avenida cheia de carros. Está se aproveitando do corredor do canto, na boa. O espaço fica muito restrito, e de repente, vira outro ciclista na contramão e de frente para você!  Este é um exemplo de um ciclista atrapalhando outro. Pior se quem está na contramão insistir em pedalar por dentro, "empurrando" você para o meio do tráfego!

O CÓDIGO DE CONDUTA DO CICLISTA URBANO precisaria atentar para essas situações e definir um protocolo, uma forma aceitável de resolver cada situação.  Poderia ser colocado que o ciclista na mão deve ficar por dentro, junto a calçada, porque não controla o que vem atrás dele.  O ciclista na contramão deve parar no cantinho ou ir por fora, se o tráfego permitir, porque ele tem como ver o que os carros estão fazendo atrás do primeiro ciclista.  Várias outras situações do dia a dia poderiam ser incluídas, com sugestões eficientes e pensadas por ciclistas, para resolve-las da melhor forma.

Esse CÓDIGO poderia virar uma cartilha das organizações, distribuídas com o máximo de ciclistas da cidade, entregue nas escolas, apresentada nos eventos.  Um modelo para isso poderia ser a CARTILHA DO CICLISTA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, mas focada nas situações e soluções. Outro, que tal a página de COMO PEDALAR NA HOLANDA (em inglês!). Seria uma forma simples de educar quem nem sempre teve oportunidade de aprender como se comportar ao pedalar.

COMENTEM...

13 de abril de 2016

MESMO SOBRANDO, FALTA...




Amigos...

Mesmo sobrando espaço, falta educação.  Eu vi esse vídeo de um equipamento em desenvolvimento pelo O BICICRETEIRO para um projeto de avaliação do grau de educação dos motoristas no Brasil.  Projeto brilhante e muito bem vindo.

O equipamento do projeto é muito válido, especialmente porque não apenas apita, ilumina, avisa ao ciclista que mais um "monstrorista" está se aproximando para uma fina, mas registra em termos NUMÉRICOS a distância que o carro está passando, dia, hora e local via GPS, e até filmará ou fotografará o "meliante".

A coisa é mesmo de educação.  Hoje, 5:40 da manhã, eu e 3 faixas de rua vazias no Espinheiro.  Eu pelo canto, passa uma cinquentinha colado, uma fina altamente desnecessária.  Uns 10 minutos depois, na Mario Melo, outro carro se espreme em cima da ciclofaixa a mais de 500 metros do retorno que ele queria fazer.  Só que me espremer não era necessário, a avenida estava vazia.

Este tipo de sensor já existe no mercado.  Eu mesmo já mostrei alguns exemplos aqui e aqui. Uma pesquisa no Google Imagens mostra dúzias de soluções nesse sentido, mostrando que o problema não é apenas Madalena, Recife, Brasil, América do Sul. É em toda Terra!  Falta respeito, falta educação.

E para não se falar que não sugiro nada: que tal a POLÍCIA ou a CTTU, a quem cabe a responsabilidade de educar os "monstroristas", mesmo que seja na marra e na multa, poderia equipar alguns fiscais em bicicleta equipadas com equipamentos assim, e sair "caçando" literalmente quem não respeita ciclista. Nada como umas multinhas para enquadrar rapidinho os descuidados. Mas nada de botar CTTU bem grande nas costas.  Tem de ser anônimo. Essa sim é uma BOA indústria da multa!

COMENTEM!!!

DE OLHO NA BIKE



Click nas imagens e veja as fotos ampliadas no PICASA NA WEB!
Ei, QUER SUA FOTO AQUI TAMBÉM? Se tiver bicicleta nela, vale! Mande com uns 800 pixels de largura maior para CONTATO.RL@GMAIL.COM, com marca d'água, nome, email e/ou telefone. Atualizado todo final de semana.
No aguarde!

Original ROGÉRIO LEITE @ 2010